Venda de Jonathan é símbolo do Botafogo que "vende o almoço para ter a janta"

Jonathan Botafogo 20 08 2019
Vitor Silva/SSPress/Botafogo
O jovem lateral-esquerdo, defensor com mais assistências pelo clube no Brasileirão 2019, foi anunciado oficialmente pelo Almería

O Botafogo acertou a venda do lateral-esquerdo Jonathan, revelação da base que começava, aos 21 anos, a ganhar certo destaque em 2019, por 1 milhão de euros para o Almería, da segunda divisão espanhola. A equipe de General Severiano ficou com apenas € 500 mil, já que os direitos do atleta eram divididos com o Nova Iguaçu, mas conseguiu garantir 25% dos valores em uma futura venda.

O dinheiro ajudou o clube a quitar os salários atrasados de junho (CLT) de alguns jogadores, além dos vencimentos dos funcionários referentes ao mesmo mês. E deixou muito bem desenhado a situação vivida pelo clube, que ao precisar se desfazer de um atleta considerado promissor para arcar com gastos atrasados de sua folha salarial, praticamente materializa os dizeres “vender o almoço para comprar a janta”.

Segundo o estudo mais recente divulgado pelo Itaú BBA, sobre os balanços dos 27 principais clubes do Brasil em 2018, o Glorioso é, dentre os considerados grandes, o que vive a situação mais alarmante. Mesmo reduzindo os custos na montagem de seu elenco de futebol, a análise diz que o Botafogo “caminha para uma situação completa de insolvência”.

O grande problema do Alvinegro, hoje, é o tamanho de sua dívida, a maior do país (R$ 672 milhões), que fica ainda pior na comparação com a arrecadação muito menor (R$ 169 milhões em 2018). É como se não houvesse solução a não ser esperar o tempo passar antes de fechar as portas. Por isso, o estudo encomendado pelos irmãos Moreira Salles, que prevê a criação de uma S/A para salvar a existência do clube, é tão importante para que o alvinegro consiga ao menos ver o time não fechar as portas.

Acompanhe o melhor do futebol ao vivo ou quando quiser: assine o DAZN e ganhe um mês grátis para experimentar

Jonathan estreou nesta temporada, ganhando destaque inicial no Campeonato Carioca, onde marcou dois gols. No decorrer do ano, voltou a perder a disputa de posição com Gilson, mas apesar de ter menos participações considerando os compromissos válidos pelo Campeonato Brasileiro, levando em conta apenas os jogadores de defesa o lateral-esquerdo é o líder de assistências: deu passes para gols nos clássicos contra Fluminense e Flamengo.

A perda de um jovem promissor, aliado ao valor considerado baixo da negociação, fez alguns torcedores manifestarem toda a raiva em relação à despedida. Por todo o cenário apresentado acima, não havia outra forma de manter o clube vivo, cumprindo minimamente com seus compromissos, ainda que com atraso. O Botafogo, que tanto se orgulha do passado, olha para o futuro com a esperança de que a S/A seja uma salvação, mas o presente é de vender o almoço para comprar a janta. Já foi assim com Matheus Fernandes e Igor Rabello, por exemplo.

Levando em consideração a idade dos jogadores e a o destino do dinheiro, na verdade o Botafogo vende a janta para entregar um almoço atrasado.

Fechar