Notícias Placares ao vivo
Especiais e Opiniões

Só o Brasil entrega a Jorge Jesus o que ele quer?

16:42 BRT 28/12/2021
Jorge Jesus Benfica 2020/2021
Apenas mais um de tantos outros “misters” do futebol europeu, JJ sabe que aqui no Brasil ele ainda é o único “Mister”.

Jorge Jesus causou grande impacto em sua primeira passagem pelo Brasil. O Flamengo treinado pelo português encantou pelo futebol que jogava e impressionou pelo caráter histórico daquela temporada 2019 -- marcada especialmente pelos títulos da Libertadores e do Brasileirão.

O trabalho “de outro patamar” aliado aos troféus históricos lhe rendeu um lugar na eternidade perante os rubro-negros e até mesmo na história do futebol brasileiro, mas como ainda segue trabalhando, JJ, humano que é, não é invencível. E erra. E agora não é mais técnico do Benfica, onde seu retorno em 2020 não lhe rendeu o que se esperava. E não faltam clubes brasileiros que sonhariam em contar com seus serviços e veem nele, Jorge Jesus, uma espécie de divindade do futebol. Quase uma certeza de vitória.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Foi com Jorge Jesus em mente, como opção principal, que o Flamengo mandou seus dirigentes para a Europa com a missão de trazerem um novo técnico para 2022. Os cartolas rubro-negros esperaram até onde era possível, dando a JJ um protagonismo visivelmente exagerado em meio ao “não f* nem sai de cima” que era a situação do comandante no Benfica. Sem mais tempo para esperar, o Rubro-Negro assinou contrato com o também português Paulo Sousa – em meio a polêmicas envolvendo seu vínculo atual como treinador da seleção polonesa. Jorge Jesus, que desejava voltar ao Flamengo, ficou devastado. Queria que esperassem ainda mais.

Sem ter o carinho dos benfiquistas (que, muito pelo contrário, criaram até um site para encorajarem sua saída do clube e retorno ao Brasil), Jorge Jesus queria sentir novamente o afeto e bajulação dos rubro-negros e do futebol brasileiro como um todo. Estamos falando de uma personalidade conhecida não apenas pelos seus conhecimentos futebolísticos, mas também pelo ego gigantesco. Exagerado. A Jorge Jesus não basta apenas saber que é bom, ele precisa que outros o exaltem aos quatro ventos. Precisa estar no centro das coisas. Apenas mais um de tantos outros “misters” do futebol europeu, JJ sabe que aqui no Brasil ele ainda é o único “Mister”.

E é isso o que Jorge Jesus mais deseja: sentir-se especial, ser visto e tratado com uma deferência que, na Europa, talvez seja dada hoje apenas a figuras como Pep Guardiola.

Para atingir este objetivo, JJ lança mão de seu grande repertório de conhecimentos futebolísticos mas também escolhe muito bem os seus destinos: aqui no Brasil, provavelmente só assinaria por clubes que lhe dessem toda a condição (leia-se: investimento em jogadores, elenco de qualidade e infraestrutura) de conquistar os maiores títulos. O Flamengo pode lhe dar isso, mas se comprometeu com Paulo Sousa dias antes de Jorge Jesus ser, enfim, demitido do Benfica. Agora o Atlético-MG, sem Cuca, aparece como forte candidato.

Na Europa, exceção feita a Portugal, poucas ou nenhuma grande potência se interessaram pelo trabalho de Jorge Jesus, que por sua vez não tem o interesse de trabalhar em clubes europeus que não tenham este status. Para sentir-se bajulado, afinal de contas, JJ tem que ser vitorioso.

Como Porto e Sporting continuam firmes com seus treinadores em Portugal, o futebol brasileiro segue com a imagem de porto seguro para Jorge Jesus: aqui as maiores potências, os clubes com maior investimento e que brigam pelos maiores títulos, chegam até a negociar com o próprio orgulho para abrir as portas a JJ. A imprensa não o trata como apenas mais um dentre tantos “misters”, como são chamados quase todos os treinadores nos países europeus de língua latina, mas como o único “Mister”.

Jorge Jesus voltou para o futebol português com o ego inflado em 2020, chegou até mesmo a falar em título da Champions League para o Benfica, mas fracassou. De qualquer forma, aqui do outro lado do oceano ele sabe que ainda pode encontrar tudo o que mais deseja: um time que entre em qualquer competição para ganhar e o carinho/bajulação que também tanto lhe serve de combustível.