Notícias Jogos
Copa do Mundo

Espanha eliminada da Copa do Mundo pune as palavras de Luís Enrique

16:17 BRT 06/12/2022
Luis Enrique Spain 2022
O treinador falou muito sobre a qualidade do seu time, coragem e a necessidade de dar show no futebol... e caiu para o Marrocos sem fazer isso

Técnico da Espanha, Luís Enrique gosta de falar. Tanto, que inovou ao também conciliar a função na seleção nacional com a de streamer – conversando de forma descontraída sobre diversos assuntos, incluindo, claro, futebol. Ex-atacante de Real Madrid e Barcelona, campeão de Champions League pelo Barça na época do Trio MSN, é possível afirmar que faz um bom trabalho à frente do selecionado espanhol. Dar cabo de uma renovação de gerações, afinal de contas, não é tarefa fácil. Mas na eliminação para o Marrocos, nas oitavas de final da Copa do Mundo de 2022, o treinador pecou por falar muito. E a bola acabou lhe punindo por suas palavras.

Dentre as principais frases ditas por Luís Enrique desde a sua convocação, até a véspera da partida contra o Marrocos, o tempo conseguiu desmentir, de alguma forma, algumas das suas aspas mais fortes. Se Luís Enrique afirmou que “de medo, não vamos morrer” ao anunciar sua lista para o torneio no Qatar, citando apostas em nomes mais jovens ao mesmo tempo em que um craque do quilate de Thiago Alcântara era deixado de fora, faltou aos espanhóis arriscar mais diante dos marroquinos. Um drible, alguma coisa diferente do previsível toca pro lado, tenta pra frente mas se não der certo volta para trás e começa de novo.

A Espanha teve a bola durante quase todo tempo nos 120 minutos de jogo, mas só conseguiu uma finalização a gol – a pior marca desde a Copa do Mundo de 1966. De que adianta ter o domínio da esfera se você não consegue fazer muita coisa com ela? E de que adianta criticar uma postura mais defensiva do adversário, se é algo previsível e, portanto, viável de se treinar?

Luís Enrique também disse, em reposta dada durante entrevista coletiva já no Qatar, que não havia time melhor do que o seu nesta Copa: "Se há alguma seleção melhor que a Espanha? Futebolisticamente, não, claramente. Temos favoritas como a França e o Brasil, mas ninguém pode ficar surpreso ao ver o que fazem", disse o espanhol.

Os jovens espanhóis tiveram no 7 a 0 sobre a Costa Rica, logo na primeira rodada, um grande momento de protagonismo e empolgação. E só. Empatou com Alemanha e perdeu para o Japão. Não conseguiu também fazer muito contra o Marrocos. Enquanto isso, Brasil, França e Inglaterra já entregaram exibições que podem ser consideradas mais seguras e encantadoras.

Mas foram as suas palavras na véspera de enfrentar o Marrocos as que mais impressionaram, quando olhamos o que foi dito e o que foi o jogo em si: "A primeira coisa que devem ensinar aos treinadores no curso de treinadores é que isto é um show, um espetáculo (...) Há 50 ou 100 mil pessoas te vendo no estádio. Em casa, milhões de pessoas. É como ir ver uma peça de teatro, se esta for chata, no final não haverá ninguém no teatro ", disse o técnico, criticando um excesso de pragmatismo no esporte. Pois o Marrocos 0 x 0 Espanha pôde ser considerado, antes do início dos pênaltis que consagraram o goleiro marroquino Bono, um dos jogos mais chatos desta Copa do Mundo.

Luís Enrique é um bom treinador, mas a eliminação espanhola no Qatar também passa pelo que Tite classificaria de “Fala muito!”. A geração de talentos, como Pedri e Gavi é boa e tende a crescer em torneios futuros, mas se o futebol espanhol é mestre no passe, poderia tentar um pouquinho mais de drible e finalização.